Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Parva, parva, parva! Sou mesmo PARVA!

Pois não tenho outro adjectivo mais adequado à minha pessoa desde setembro. Parva, parva e parvalhona!

 

Passo a explicar: na reunião geral do início do ano lectivo da escola onde dou aulas à segunda-feira, foi-nos pedido que ficássemos com os alunos desde o fim das aulas até às 17.30h, enquanto os pais não os vêm buscar.

 

Se me pediram isto, assim eu fiz. Embora a minha aula seja só de 1.30 min., entro 15 minutos antes para os miúdos lancharem e fico 15 minutos depois até os pais os virem buscar.

 

Sempre achei estranho eu estar sozinha ao portão. Sempre me vi só a mim com a turma que tinha nesse dia e os miúdos das outras turmas nunca os vi cm nenhum professor a acompanhar.

 

Hoje, estava eu ao portão da escola feita parva, quando passam por mim todos lampeirinhos o professor de educação física e o de música e saem da escola.

 

De repente, fez-se um clique na minha cabeça... um clique, não, foi mesmo um relâmpago daqueles bem grandes! Então não é que a tansa aqui era a única que ficava mais 15 minutos depois da hora da saída?!? Poupem-me! Não se aguenta que alguém seja tão parva! É mais meia hora por dia e ninguém me paga.

 

Acho que vim a deitar fumo pelas orelhas pelo caminho. Expliquem-me lá como se pode ser tão parva!!!! Juro aqui perante vós que aqui a Miss Pepper Alves Redol não ficará nem mais um minuto depois da hora de saída. E o primeiro dia será já amanhã! Grunf!

Coisas que me irritam profundamente!

De manhã levantei-me cedo e fui saborear a forte chuva que caía, indo até à pastelaria beber um café (que mo pagaram e por isso poupei 0,55 cents!) Como precisava de uma fitinha para um trabalho que tenho em mãos, fui à retrosaria aqui do sítio.

 

Cheguei lá, estava uma senhora a ser atendida mas como ela ia querer muita coisa e eu não, a dona da retrosaria passou-me à frente para me despachar. Enquanto era atendida, chegam mais duas senhoras. Como o que eu pretendia não havia, dei meia volta, peguei no meu chapéu de chuva e vim para casa.

 

Ainda mal tinha chegado a casa, tocam insistentemente à campainha. Vou abrir a porta a meio da troca de roupa de andar por casa e vejo uma senhora aqui da rua. Pensei que se tivesse enganado no andar, coisa que é muito comum entre a casa da minha mãe e a de uma vizinha.

 

Assim que me vê, a mulherzinha diz-me:

 

- Olhe trouxe o meu chapéu de chuva da retrosaria...

 

Achei aquilo estranho, mas mesmo tendo a certeza que tinha trazido o meu, fiquei na dúvida. Sei que sou meia despassarada mas em toda a minha vida nunca me enganei numa coisa assim do género. Os despassaramentos têm a ver com coisas minhas, pessoais.

 

Fui buscar o chapéu para ter a certeza absoluta de que era mesmo o meu e não um outro parecido ou até igual. Era mesmo o meu pois tem uma marca no cabo. Estendi o chapéu à mulher, mostrando-lho, ao mesmo tempo que lhe dizia:

 

- O chapéu que eu trouxe foi o meu, que é este...

 

Ela responde-me:

 

- Mas trouxe o meu chapéu... só lá estava você, outra senhora que ainda lá ficou e eu com a Dona não-sei-quantas...

 

Repeti, estendendo-lhe o chapéu:

 

- Desculpe mas o chapéu que eu trouxe é este e é o meu... veja lá, apalpe.. ainda está a pingar...

 

A estúpida da mulher voltou a dizer-me que eu tinha trazido o chapéu dela, o que me fez começar a deitar fumo pelas orelhas. Então não viu que não era o chapéu dela? Das duas uma, ou queria um chapéu novo (coisa que o meu não é) ou já nem reconhece o seu próprio chapéu de chuva!

 

Já danada, disse à mulher:

 

- Mas pegue lá no chapéu e veja se é o seu (coisa que ela não fez)... Veja lá se não foi a outro lado antes e tenha sido aí a troca de chapéus... é que por acaso este é o meu único chapéu de chuva, não tenho mais nenhum!

 

A mulher respondeu-me que "não" muito pouco convicta e ao mesmo tempo a desconfiar do que lhe dizia!!! Acreditam nisto?!?

 

Conclusões a tirar:

 

- o melhor a fazer é colocar uma etiqueta com o meu nome no chapéu, tal qual se fazem com as coisas dos miúdos, ainda assim não venha outra louca qualquer reclamar um chapéu que é MEU;

 

- lembrar de JAMAIS largar o meu chapéu de chuva onde quer que vá, mesmo que estaja a escorrer que nem torneira aberta... assim evita-se confusões.

 

- se há coisa que me tira do sério é desconfiarem de mim... eu não minto e nem o sei fazer e ainda por cima com a porra do chapéu à frente dos olhos, o raio da mulher não viu que não era o dela?!?

 

AAAARRRRRGGGGGHHHH! {#emotions_dlg.evil}

A professora que é uma sexy girl.

Ontem comecei a dar explicações a uma menina a precisar de socorro urgente. Conversámos para ver quais as dificuldades que mais sentia, que matéria estava a dar e o que iria sair para o próximo teste. Enquanto ia fazendouma das fichas de trabalho que lhe dei, a miúda ia falando comigo, tirando pequenas dúvidas e contando pequenas coisas acerca da professora da disciplina.

 

Parece que a referida professora chega à aula e começa a desbobinar matéria automaticamente, a turma entra em alegre conversa e barulheira e ela nem os manda calar. Exercícios para consolidar a matéria e tirar as possíveis dúvidas aos alunos, népias! Já os testes, esses, são retirados da net, de um qualquer site acessível a todos, nem são feitos por ela. E o mais engraçado é que ela ainda diz orgulhosamente aos alunos que os tira da net! Em suma, ela vai dar aulas sem a mínima preparação, com as coisas feita em cima do joelho, e os encarregados de educação e os alunos (que são daqueles de boas notas) não estão nada satisfeitos. Inclusivamente já tentaram pô-la a mezer e a senhora professoar, depois, foi fazer beicinho para os alunos.

 

Ao que parece a tal senhora tem uma carreira paralela à carreira docente: é modelo fotográfico, daquelas fotos sensuais. Como todos sabemos, os nossos jovens de hoje em dia, são peritos em questões de net e descobriram as fotos da tal senhora, que ela também não escondeu, expondo-as numa rede social.

 

Ninguém tem nada a ver com o que a senhora faz com a sua vida, é certo, e nem ninguém tem que a criticar. A vida é dela. o corpo é dela e ela fará o que entender sem ter que dar justificações a ninguém. Mas ao expor-se desta maneira, há consequências implícitas perante os olhos da nossa sociedade, e principalmente sendo professora.

 

O que acontece é que os alunos perderam-lhe o respeito, e como perceberam que ela nem sequer prepara as aulas, os alunos começaram a borrifar-se. Se a professora não dá importância áquilo que lhes está a ensinar porque é que eles têm de dar? Afinal ela tem uma vida muito ocupada e não tem tempo para preparar as coisas, diz-lhes ela.

 

Basicamente é isto.

Só agora reparei que há QUATRO dias que não digo nada aqui no meu blog. Juro que pensei ser há menos tempo. Agora estou para aqui cheia de remosos... (sabem como eu sou afectivamete-ó-dependente das minhas coisinhas, não sabem?)

 

Na verdade não tenho parado, daí ter-me calado um pouco no blog. Tenho andado a preparar aulas, que é como quem diz, fazer omeletes sem ovos pois a maior parte das escolas ou não tem recursos ou não mos deixam utilizar. E depois ainda querem que faça aulas altamente giras, motivadoras e blá, blá, blá... drogam-se, só pode! Nem uma pobre fotocópia posso tirar..! Ah e já me constou que não se pode escrever muito no quadro para não gastar giz porque há pouco... acreditam nisto?!? Qualquer dia só lá vou marcar presença e fazer baby sitting!

 

Saio de um fim de semana cansativo - com o aniversário da minha afilhada pelo meio - e começo a semana a pedir a todos os santinhos e ao Gaspar, o Terror da Finanças que retirem a segunda-feira do calendário. Só por este ano... Não é pedir muito pois não? É que este dia é tão mas tão horrível para mim que não me importava nada que desaparecesse.

 

Amanhã é um dia novo e é melhor. Assim como espero que seja o resto da semana. Pra mim e para vocês! P

Da falta de inspiração verbal à criatividade manual... :P

Como não tenho nada de especial para contar (se me pusesse a falar nunca mais parava...lol!) e não me apetece falar sobre o assunto do dia -a greve e a violência inerente - decidi colocar aqui umas fotos de algumas peças que fiz.

 

Em primeiro lugar, mostro-vos a carteira que fiz (e que faz pendant com uma capa de agenda) e que foi um presente de aniversário de uma menina muito gira. :)

q
No seguimento do que já fiz o ano passado por esta altura, foi-me pedido que fizsse um novo cestinho em tecido mas desta vez para presente de aniversário para uma rapariga que é uma Mulher pois tem vivido o pior que a vida pode oferecer.
q
Depois resolvi fazer uma coisa que eu acho imeeensa piada: Mug warmers. Para quem não sabe, é um casaquinho para manter a caneca do nosso chá ou café quentes por mais tempo. Ora vejam a primeira... que acham? :)
w
And last bus not least... outra coisa que eu queria muito fazer: uma capa para livros mas ajustável, isto é, dá para livros com várias dimensões. Assim não andam os livros a bailar nas capas. :)
Que me dizem destas minhas artezanatices? :)

 

Remédio para dias de carência.

Há dias em que parece que nos falta algo, estamos carentes nem sabemos bem do quê. Ora nestes momentos para onde é que os nossos pensamentos vão logo a correr? Para algo doce!!! Pode ser para um pedacinho de chocolate (não é um inteiro, seus gulosos!) ou para um bolinho. Como nós somos pessoas ciosas na manutenção da nossa linha - cof! cof! Deu-me uma tosse súbita não sei porquê - só podemos comer uma fatiazinha de bolo quando, na realidade, o que nos apetece mesmo é comer o bolo inteiro! Mas calma. Podemos comer um bolo inteirinho, sem dar uma migalha a ninguém e mesmo assim mantermos a linha. Querem saber como? Espreitem a imagem...

Para as meninas que têm microondas no local de trabalho: agora não comecem a levar os ingredientes para o trabalho com a desculpa de que querem presentear o chefe com um bolo acabadinho de fazer ao lanche... sabemos bem que é uma desculpa para nos alambazarmos com uma delícia destas a meio da tarde acompanhada de um cházinho ou café. 
Ainda bem que não tenho microondas no local de trabalho... nem aqui em casa (suicidou-se!)... Não sei como há pessoas tão gulosas! {#emotions_dlg.drool}

 

Não sou a Santa Casa da Misericórdia nem nenhum Banco...! Que lata!

Hoje ao entrar aqui para ver o meu blog, deparo-me com estes dois comentários que decidi não publicar:

 

Comentário 1:

"ola vejo que é uma alma caridoxa e extou a precixar de 750 eurox para pagar minhax dividax poix xe pagar minhax dividax com o dinheiro que tenho fico xem ter o que comer.


Expero uma rexpoxta xua aqui xe me podera ajudar ou nao.

Obrigado"

 

Comentário 2: 

 "Olá eu preciso muito de ajuda financeira e gostaria que me ajudassem já não sei o que fazer, preciso de 800 euros porque não tenho o que por na mesa e preciso de pagar a divida da minha casa. Por favor ajudem-me.



Obrigado"

 

A minha alma ficou parva, devo confessar. Compreendo (e sinto-o na pele e de que maneira!) que a crise está a afectar toda a gente, compreendo que se peça ajuda a quem o pode fazer mas não compreendo que ao ler-se um post que relata situações de ajuda a AMIGOS (pessoas íntimas, portanto) que se passaram há imenso tempo seja o mote para me virem pedir dinheiro!

 

Tomara eu conseguir sobreviver com os meus 150 euros por mês que o meu trabalho a recibos verdes me dá tarde e a más horas, tomara eu que a comida comprada com a pensão de 240 euros dos meus pais - e que me dá de comer - nunca nos falte e que consigamos pagar a renda tanto da casa dos meus pais como a minha para, ao menos, não ficarmos na rua.

 

Portanto, escusam de voltar a pedir-me dinheiro, nem vale a pena darem-se ao trabalho de escrever pois não publicarei nada nunca. Vão pedir dinheiro ao Passos Coelho, à Merkel, ao Cavaco ou a quem quiserem mas a mim não! Não sou Santa Casa da Misericórdia nem banco!

 

Das prendas de Natal.

Não é novidade nenhuma para ninguém que andamos todos tesos, lisos mesmo, graças à sacana da crise. Já todos nós fizemos mil e um cortes nos nossos orçamentos e já aprendemos a fazer esticar o pouco dinheiro que nos sobra. No entanto, vem aí uma época crítica: o Natal.

 

Penso que já não se deve verificar aquele nível de consumismo extremo que era habitual nesta época, embora eu tenha visto uma pessoa numa grande superfície com um carrinho a transbordar de brinquedos, mas há sempre aquela pessoa especial, família ou amigo a quem gostamos de oferecer um miminho.

 

Neste sentido, decidi que iria fazer um especial de Natal no Lovely Things com prendinhas Low Cost (embora as minhas peças todas estejam a anos luz dos preços praticados pelas outras pessoas, por exemplo, as minhas carteirinhas custam 5 euros e os outros vendem a 10 ou 12 euros). Vou criar um album específico no facebook e também irei colocar no blog. Ah e lá por serem prendas Low Cost, não significa que não tenham qualidade!

 

Vou fazer algumas peças engraçadas e, quiçá, diferentes. Se tiverem alguma sugestão de alguma coisa que gostariam de ver feita, DESAFIEM-ME!* :) Podem deixar aqui um comentário ou então enviar mail para lovelythings@sapo.pt .

 

* Isto não implica qualquer obrigação, está bem? :)

Pág. 1/2